quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Diversos, novidades e pensamentos

Olá,
Estou passando por aqui para escrever um capitulozinho a mais dessa saga dantesca em busca de fraldas, berços e chorinhos...
Então, pensando em tudo isso e ao mesmo tempo tentando não pensar em nada disso, nesse próximo sábado, num rompante, vou visitar meu primeiro orfanato.
Sim, porque as opções de termos um bebê adotivo com essa nova lei parecem absolutamente impossíveis, então, voltamos para o dilema dos tratamentos ou para a adoção tardia.
Algumas pessoas questionam o porquê de tanto sofrimento com tratamentos se a adoção é indolor e ainda benéfica... bem, como já falei aqui, REALMENTE eu gostaria de ter um bebê, aprender a ser mãe, conhecer a criança, passar pelas fases todas, sabem?? e bom, aguardar na fila por um bebê pode ser ad eternum e não tenho saúde para receber um recém-nascido daqui a 12 anos, quando completar 48 anos. Sorry. Parabéns para quem tem saúde para isso, eu não tenho.
Então, adoção tardia:
Não sei. Nao tem nenhuma criança na minha família. Não tenho sobrinhos. Meu irmão era só dois anos mais novo que eu. Portanto, não, não sei como é uma criança de 5 anos. Ou de 8, ou de 3. Nao sei o que já aprendeu, em que fase está e o que precisa ainda aprender.
Enfim, vou esse sábado pela primeira vez num orfanato. Já sei que as crianças não tem anteninhas nas cabeças ou buzinas nos narizes. Já me explicaram isso. Mas falando sério, eu realmente preciso ter contato. Nao sei o que esperar. E sabem, no fim, estou super animada para ir!
Depois eu conto tudo. É uma instituição pequena, com poucas crianças. Só duas para adoção, o resto tudo perdido no buraco negro da burocracia brasileira (ah é, burocracia não existe, a fila não anda por que somos racistas! esqueci...), enfim, depois eu conto tudo!

6 comentários:

Anônimo disse...

Olá eu conheci numa reunião de um grupo de adoçao uma moça que esperou 4 anos uma menina recem nascida,branca.

Não desista dê entrada nos papéis que é o mais importante!!!
bjos
gi

Visite o meu blog www.meufilhoesperado.blogspot.com

Anônimo disse...

Top web site, I hadn't come across dafertilidadeamaternidade.blogspot.com before in my searches!
Carry on the excellent work!

Briza, Marcelo e Theo disse...

Bom dia!
Sou uma visitante nova do seu blog. Apesar de não ter problemas de vertilidade, meu grande sonho sempre foi adotar. Tento convencer meu marido a pelo menos visitar um orfato todos os dias, há 4 anos, mas até agora nada.
Bom, na minha família adoção é uma coisa bem comum, apesar de ninguem ter tido dificuldade para engravidar. As adoçoes aconteceram e posso dizer que meus 3 tios e meu pai não tem do que reclamar. Tenho um irmão de sangue e 3 irmãs adotivas. O amor é exatamente igual entre todos nós. Minhas irmãs foram adotadas com 6 anos, 4 anos e 4 meses. A diferença de ter um bebe é a dificuldade de contar depois que ela é filha do coração. Já as duas maiores, são gratas por tudo o que tem. Dão valor até na comida que recebem. A menor, hj com 8 anos, é mega mimada, típica filha de pais velhos (rs). As outras são uns doces. Cada uma tem um jeitinho, mas sao todas lindas e amadas.
Vá em frente. Filho é filho, seja lá de onde ele veio.
Uma coisa legal pra vc fazer é se candidar ao "apadrinhamento". Procure saber se tem na sua cidade. Vc faz uuns cursos e umas entrevistas e a partir dali vc "apadrinha" uma criança. Esse apadrinhamento significa acompanhar a vida da criança (notas, tarefas, aniversário, etc) e pegá-la pelo menos 1 vez por mês pra passar o dia com vc (pode até dormir o final de semana e passar as férias). Essa é uma boa forma de vc conhecer o que é ter uma criança maior e ajudar essa pessoinha a ter uma vida melhor.
Bjs e boa sorte

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Dalila disse...

Legal Gi, vi seu Blog, gostei bastante!

Olá Briza, gostei da sua dica, vou atrás!

Bjs e obrigada meninas!